• Pitter Lopes

5 Tendência do Varejo e Indústria de Consumo após Covid-19.




Irei tratar neste artigo sobre tendências de comportamentos dos consumidores após a Covid-19,


Tendo como objetivo exemplificar os hábitos por consumo de conteúdo digital desenvolvidos por consumidores e citar tendências do Varejo e da Indústria de Consumo, diretamente relacionados ao consumidor, após Covid-19.


O surto do novo Coronavírus (COVID-19) provocou um visível impacto social e nos hábitos do consumidor.


Normalmente, leva cerca de 66 dias para alguém adquirir um novo hábito e continuar a fazê-lo quando não coagido, de acordo com Paul Marsden, psicólogo de consumo da Universidade de Artes de Londres.

Quase 40% dos atuais compradores online fizeram suas primeiras compra em março, de acordo com Estudo da Smart Commerce, plataforma de comércio eletrônico para marcas de produtos embalados.


Um indicador do governo Federal que passou a ser divulgado recentemente mostra que o país registrou R$ 23,9 bilhões de vendas com notas fiscais eletrônicas em junho.


É a segunda vez que os dados são apresentados pela Receita Federal.


— Muitas pessoas que se negavam a utilizar aplicativos ou sites para compra de produtos precisaram consumir digitalmente, aprendendo que existe um mar de opções no mercado e que economizar pode ser muito mais fácil nas buscas online — observa Adnan Jebailey, economista do Instituto de Economia da Associação do Comércio e Indústria de Franca (Acif), em São Paulo.

Hábitos adquiridos durante a pandemia devem permanecer quando o distanciamento social não for mais necessário.


Um deles é a digitalização do consumo. A tendência é de que as pessoas continuem comprando mais pela internet, como mostrou estudo da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), em maio.


O levantamento apontou que 70% dos entrevistados (em um universo de 1 mil pessoas) pretende continuar comprando mais online do que antes da Covid-19.



Tendência do Varejo e Indústria de Consumo após Covid-19, de acordo com o hábito do consumidor.



Examinação das grandes mudanças de comportamento que ocorreram até o exato momento e algumas previsões de como isso afetará o futuro consumidor.


BEM-ESTAR


  • O bem estar assume um novo significado - a saúde não é apenas sobre o ser humano inteiro, ou mesmo sobre a comunidade humana, mas toda a biosfera humana.

  • A conexão através da mídia social tem sido uma tábua de salvação para os consumidores, tanto física quanto mentalmente, e essa confiança não desaparecerá assim que o envolvimento pessoal for retomado. Embora os consumidores estejam mais abertos ao monitoramento de tecnologia, ainda há muito a ser feito para aliviar as preocupações com a privacidade do consumidor.

  • Consumidores buscarão novas maneiras de encontrar satisfação, colocando uma ênfase ainda maior nas experiências sobre as coisas e no valor das conexões humanas.

  • Após COVID-19 veremos mais marcas aproveitando os benefícios dos canais online para complementar o Offline, oferecendo aos consumidores mais opções e experiências mais próximas da marca.


IDENTIDADE


  • Os consumidores terão ainda mais poder para defender as marcas e as causas que mais se alinham aos seus valores.

  • As conexões sociais trazem valores complexos à vida dos consumidores, dando às pessoas um sentimento de pertencer a um senso de identidade.

  • A importância da conexão humana será mais forte do que nunca e continuaremos a ver um fortalecimento da comunidade (de grupos).

  • A comunidade terá sempre um novo significado, oferecendo uma oportunidade única para as marcas se conectarem com os seus consumidores de maneiras mais significativas.



DIREITO

  • A ética corporativa não será mais uma “coisa boa de se ter”, mas um “must-have” (indispensável) que servirá como estratégia norteadora para o envolvimento da marca, interna e externamente.

  • A tecnologia usada para aumentar ainda mais a eficácia e o sucesso de promover mudanças sociais. Isso será visto no fornecimento de acesso a informações, fundos e redes de suporte para consumidores menos bem representados devido a localização, como comunidade rurais, ou devido a razões econômicas.

  • Consumidores estão se mobilizando para esclarecer as desigualdade no acesso à internet, evidenciadas durante a pandemia.




5 Tendências do mercado que se acentuaram com à Covid-19


1) Enxergue o seu cliente como uma PESSOA, e não como um COMPRADOR.


A internet possibilitou uma condição de comunicação histórica, agora as pessoas conseguem expressar suas ideias ativamente com outros grupos de pessoas a respeito das empresas.


“Quanto mais você conhece seu consumidor, tanto melhor é o entendimento de sua linguagem, seus valores, seus desejos, suas críticas e experiências;” - Conrado Adolpho; 2011


Por mais que a centralização da pessoa pareça um termo novo ela vem sendo tratada no Marketing digital há anos.


Isso nos demonstra que pensar em colocar as pessoas no ponto central das estratégias da empresa será mais necessário e crucial até para a sobrevivência da mesma.


Os consumidores exigem mais transparência das empresas e demonstração de pertencimento social:


Conscientização, sustentabilidade, produção e inclusão social impulsionam o comportamento do consumidor na hora de fazer parte da sua empresa, ou seja, comprando um produto ou aceitando um serviço.



2) Se preocupe com a Experiência do Cliente, assim como o Google.


Nada mais justo que pegar uma Empresa Digital para falar sobre comportamentos futuros e da sua preocupação na experiência do seu cliente.


O google tem 3 tipos clientes: todos os 5,5 bilhões (número médio) de pessoas que fazem busca diariamente, os anunciantes e produtores de conteúdo (blogs, canais de youtube, sites, aplicativos etc…)


Cada cliente recebe um tratamento de experiência particularizado, levando conteúdo e ferramentas eficientes para todos eles.


Uma simples sugestão de termo de busca já é uma estratégia de personalização que o Google desenvolveu para que seu cliente ganhe tempo e se sinta "ouvido".


Para compartilhar seu conteúdo em vídeo existe o Youtube com suas incríveis ferramentas de Edição, particulares para criadores de vídeos.


Ferramentas inteligentes de anúncios para fazer com que seus anunciantes consigam ter excelentes resultados, e uma política de anúncio que dedica proteção a todos os outros clientes.


Todas essas estratégias têm um só objetivo: tornar todos os seus clientes leais à marca.


3) Os modelos de negócios que atuais plataformas disponibilizam no mercado.



Há uma crescente migração de modelos de negócios do físicos para o Digital, evidenciado a sua sustentabilidade principalmente no período de Covid-2019.


No primeiro trimestre deste ano, 12,3% dos internautas brasileiros realizaram ao menos uma compra online, com queda de 1,4% em relação aos quarto trimestre de 2019. Já na comparação com o mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 2,1%.
- Canaltech


E-commerce, afiliação para produtos digitais, consultorias online, cursos online são alguns modelos que já existiam num determinado grupo de empreendimento e com a Covid-19 profissionais tradicionais se viram forçados a usar essas ferramentas para se sustentar e entregar uma experiência mais próximas aos seus clientes.



4) Cooperação e Colaboração



No cenário varejista o comportamento de competitividade egoísmo estão por fim e empresas que se posicionam desta forma podem ter fechado as portas.


Primeiro que há de ter uma cooperação e colaboração por parte da empresa e de seus clientes para uma manutenção rentável do negócio.


Segundo é que todos estão comunicados e conseguem obter informações rápidas sobre o cenário do mercado e se posicionarem inteligentemente, criando assim uma grande onda de referências e colaboração de ideias.


Nenhuma empresa é sustentável isoladamente, até no mercado tradicional é preciso que haja um conjunto de profissionais para as coisas darem certo.


5) A tecnologia como base de relacionamento!


O Facebook investe há anos em inteligência artificial, empresas Norte Americana usam filtros para popularizar seus produtos cosméticos (como maquiagens e batons).


A tecnologia deixou de ser um complemento e já é uma necessidade. Toda a cadeia de varejo depende dela como nunca antes.


O mundo tecnológico está presente há décadas e todos cenários diretos e indiretos já conseguem ver a sua importância para qualquer empresa.


Outro assunto que preciso colocar aqui é que que segundo estimativas do Google para 2020 é que 50% das buscas online sejam feitas por comando de voz.


A tecnologia definitivamente veio para facilitar a comunicação e a maneira de como os consumidores se relacionam com empresas.





Segue uma indicação de Vídeo para melhor compreensão do Tema: Tendência do Varejo e Indústria de Consumo após Covid-19.





E aí, gostou do texto? Comente o que mais te chamou a atenção e, ou, dê sugestão de edição.


45 visualizações0 comentário